EGBA: Relatório da KPMG destaca o elevado compromisso com a protecção do consumidor

EGBA: Relatório da KPMG destaca o elevado compromisso com a protecção do consumidor

As medidas de protecção do consumidor oferecidas por seis Associação Europeia de Jogos e Apostas membros no Reino Unido e na Dinamarca foram avaliados num relatório da KPMG.

Conduzida em conjunto com vários grupos em várias outras jurisdições, a revisão das operações em linha na indústria do jogo foi levada a cabo nos sites de bet365, Betsson, Entain, Flutter, Kindred Group e William Hill.

Isto viu um foco colocado nas cinco áreas centrais de segurança do cliente; protecção de dados; conhecer o seu cliente; anti-lavagem de dinheiro; e publicidade.

Nos dois primeiros segmentos, a KPMG informou que cada oferta examinada apresenta informação “extensiva” sobre práticas de jogo responsáveis e protecção do consumidor, bem como políticas de protecção de dados e responsabilidades estatutárias.

Apesar de se encontrar uma representação geralmente “robusta” das obrigações da KYC, verificou-se que todas as empresas dinamarquesas, excepto uma, estabeleceram os requisitos de prova de identidade ao tentarem abrir uma conta. Esta excepção foi também considerada pouco específica sobre as informações exigidas aos utilizadores.

Noutro lugar, descobriu-se que outro membro do EGBA exigia que os utilizadores do website criassem uma conta a fim de aceder aos seus termos e condições.

Duas das empresas avaliadas tinham “apenas informação parcial no que diz respeito às suas práticas de combate ao branqueamento de capitais tanto nos sítios dinamarqueses como no Reino Unido”.

Todo o Reino Unido e quatro dos seis dinamarqueses afirmaram “explicitamente” que se reservam o direito de suspender e/ou encerrar uma conta quando houver suspeita ou conhecimento de branqueamento de capitais ou outra actividade criminosa ou fraudulenta.

Além disso, quatro dos primeiros e três dos últimos foram também descobertos para avisar que os fundos podem ser retidos em caso de suspeita de tal actividade.

Com uma excepção, verificou-se que todos os sítios web declararam que os dados pessoais são utilizados para fornecer recomendações de produtos direccionadas e personalizadas.

Quatro informam que os jogadores podem optar por não receber comunicações de marketing/publicidade, mas apenas dois sites do Reino Unido e um site dinamarquês declaram que os jogadores podem opor-se a que as suas informações/dados sejam processados e utilizados para fins de marketing.

“Saudamos o relatório e as suas conclusões, que oferece um barómetro valioso do nível de protecção do consumidor oferecido pelos nossos membros”, declarou Maarten Haijer, Secretário-Geral da EGBA.

“O objectivo do relatório é verificar como as empresas membros da EGBA se situam no mundo maior dos serviços online em termos da protecção dos consumidores que oferecem.

“Os resultados mostram claramente que os membros da EGBA têm um elevado empenho em oferecer aos seus clientes um elevado padrão de protecção do consumidor”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *