Crucial Compliance visa combater o “baixo vício da dependência” em África

Crucial Compliance visa combater o “baixo vício da dependência” em África

Cumprimento Crucial deslocou o seu olhar para o continente africano após a empresa de consultoria de conformidade baseada em Gibraltar ter lançado o seu plano de expansão.

A firma prometeu que as suas ambições africanas visam enfrentar os “problemas culturais e sistémicos” do continente, os quais, segundo ela, conduzem a “jogos não rentáveis e insustentáveis” e contribuem para um “subdesenvolvimento” que ficou “completamente abaixo do radar”.

“O Crucial Compliance está concentrado em mudar a indústria, um operador de cada vez”, observou Paul Foster, CEO da Crucial Compliance. “Isto não deve ser apenas dentro dos mercados reguladores estabelecidos, mas incluir aqueles com elevado crescimento onde os danos relacionados com o jogo poderiam ser mais prevalecentes.

“Tendo analisado os mercados de jogo rapidamente africanos, reconhecemos que o nosso apoio poderia fazer a diferença. Por conseguinte, dedicámos tempo e recursos para tentar fazer uma mudança para proteger os mais vulneráveis dos jogadores”.

Enquanto os regimes na Europa e América trabalham vigorosamente para satisfazer os accionistas, governos e reguladores com uma pletora de medidas de jogo mais seguro, África, de acordo com a Crucial Compliance, continua a ser um mercado “maduro” para os operadores implementarem operações com alguns regulamentos e consciência do problema do jogo atrasado.

Depois de anunciar as suas ambições na região, a Crucial revelou que no final deste mês, a empresa de consultoria irá acolher uma “maratona de jogo mais seguro”, concebida para levar as partes interessadas, operadores, governo e aqueles afectados por problemas de jogo, a co-desenhar soluções que irão influenciar alterações políticas positivas e regimes regulamentares reforçados.

Com parceiros activos em todo o Quénia, Ruanda, Nigéria e África do Sul, o grupo está a trabalhar em conjunto com consultoria estratégica Agência Adam Bradford para implementar o seu plano de acção para a região.

De acordo com a Centro Nacional de Problemas de Jogo e Conselho Nacional de Investigação, 53% dos adultos na Nigéria jogam todos os dias e que até 8% da população está a lutar com problemas de jogo.

No Ruanda, novas licenças de jogo foram recentemente suspensas pela MINICOM, o Ministério do Comércio e Indústria, com o apoio do Ministério dos Desportos, a fim de assegurar o seu cumprimento contínuo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *