Art Spiegelman To Receve Honorary National Book Award (Prémio Nacional do Livro Honorário)

Art Spiegelman To Receve Honorary National Book Award (Prémio Nacional do Livro Honorário)

Neste Outono, Art Spiegelman receberá um Prémio Nacional do Livro Honorário pela Contribuição Distinta às Cartas Americanas. Ele sente-se honrado, e um pouco preocupado.

O prazer inesperado de ser citado pela Fundação Nacional do Livro vem meses após a saga jarrante do seu prémio Pulitzer “Maus” ter sido retirado por um conselho escolar do Tennessee, que considerou o romance gráfico de Spiegelman sobre o Holocausto inadequado para o currículo do distrito. As vendas de “Maus” e de outros livros de Spiegelman aumentaram, mas a atenção distraiu-o de outras prioridades.

“O meu horário de trabalho acabou de ser totalmente quebrado”, disse ele durante uma recente entrevista telefónica. “Tive o prazer de rastejar de volta para o meu esconderijo”.

Agora, o Spiegelman de 74 anos de idade antecipa estar de volta ao mundo, um fardo reconhecidamente invejável que o obrigará a reservar tempo e a considerar o seu legado de décadas, um legado profundo e abrangente. A sua influência estende-se de “Maus”, vencedor de uma citação especial dos juízes Pulitzer em 1992, ao seu trabalho dos anos 70 em banda desenhada subterrânea até às suas famosas capas New Yorker, nomeadamente as silhuetas escurecidas das Torres Gémeas que correram duas semanas após os ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001.

“Art Spiegelman captou a imaginação do mundo através da banda desenhada”, disse David Steinberger, presidente do conselho de administração da Fundação Nacional do Livro, numa declaração divulgada na sexta-feira. “Os seus magistral romances gráficos abordam e iluminam tópicos desde o Holocausto até ao rescaldo do 11 de Setembro, juntamente com a intimidade pessoal das pessoas, eventos e banda desenhada que o moldaram como artista. O trabalho pioneiro de Spiegelman mostrou-nos as possibilidades ilimitadas de banda desenhada como uma forma de arte literária”.

Nascido em Estocolmo, Spiegelman era um bebé quando a sua família emigrou para os Estados Unidos, no início dos anos 50. É descendente de judeus polacos e perdeu dezenas de parentes – incluindo o seu irmão Rysio – durante o Holocausto, uma história trágica que ele desenhou para “Maus”. A sua carreira como cartoonista remonta à sua adolescência, quando contribuía com arte para Smudge e outros fanzines e produzia a sua própria publicação, “Blasé”.

A carreira de Spiegelman é, em parte, uma história de tomar uma forma de arte associada a crianças e remodelá-la para adultos, o que ele chama “investigar a linguagem e a natureza dos quadrinhos”. É o primeiro cartoonista a ganhar a medalha DCAL da Fundação Nacional do Livro, que anteriormente concedeu a Toni Morrison, Philip Roth e Robert Caro, entre outros.

“É muito diferente do que acontecia nos anos 70, onde ser um cartoonista significava essencialmente – a menos que fosse Charles Schulz – que não estava nas grandes ligas do sucesso. Era mais como ser um artista de tatuagens”, diz Spiegelman.

“Mas o mundo está a mudar. Tem havido uma mudança cultural que tem tornado menos pejorativo fazer banda desenhada. Teve um momento na década de 1950 em que os banimentos de banda desenhada estavam a acontecer em toda a América. Os livros de banda desenhada eram vistos como perigosos, e teve esta luta por aquilo que as crianças deviam ser autorizadas a ver. Havia um sistema de classificação (o Código de Banda Desenhada) e muito disso era um disparate. Mas o génio está há muito tempo fora da garrafa”.

Neil Gaiman apresentará o Spiegelman na cerimónia de 16 de Novembro, apresentada pela Fundação do Livro. A directora executiva da Associação Americana de Bibliotecas, Tracie D. Hall, receberá um prémio de “Outstanding Service to the American Literary Community”, e os vencedores serão anunciados em cinco categorias competitivas, desde a ficção à literatura juvenil.

Numa recente entrevista telefónica, Gaiman disse que Spiegelman tinha tido um impacto duradouro sobre ele. Recordou ter visto algumas das imagens de Spiegelman “Maus” há cerca de 40 anos e relacionou-as com as suas próprias experiências como parente de sobreviventes do Holocausto judeu.

“Deixou impressões na minha alma”, diz ele sobre o trabalho de Spiegelman.

Tornaram-se amigos anos mais tarde, apesar de Gaiman, que se lembra de recusar a oportunidade de conhecer David Bowie e Elvis Costello entre outros, ter uma regra não oficial de não conhecer os seus heróis. Mas ele disse que a sua admiração e afecto por Spiegelman apenas se aprofundaram, e não se surpreendeu que Spiegelman tivesse receado que a vitória no DCAL pudesse perturbar o seu horário de trabalho.

“Isto é Arte”, disse ele. “A arte, com um ‘A maiúsculo,’ está sempre a pensar na arte, com um pequeno ‘a’. Ele faz coisas que importam, e penso que ele sabe que faz coisas que importam, e penso que temos uma sorte ridícula em tê-lo”.

Leia todos os Últimas notícias de Lifestyle e Notícias de última hora aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.