Como ultrapassar uma crise de carreira de meia-idade? Tome Notas

Como ultrapassar uma crise de carreira de meia-idade? Tome Notas

De acordo com a investigação, muitos profissionais activos, mesmo aqueles com profissões obviamente bem sucedidas, podem começar a sentir-se insatisfeitos com o seu emprego a meio dos seus quarenta anos. Podem sentir-se presos numa rotina, perguntando-se: “Será isto tudo o que há para o resto da minha carreira profissional”, ou podem arrepender-se de decisões anteriores que tomaram, como a rota não tomada. Sawan Kapoor, um treinador de carreira, orientará sobre como navegar na crise da sua carreira de meia-idade.

Porque é que as pessoas experimentam uma crise de carreira a meio da vida?

Os profissionais que têm uma crise de carreira a meio da vida são mais frequentemente causados por se desligarem dos seus empregos. Os profissionais que escolheram um percurso profissional que não é a sua verdadeira vocação são os mais propensos a experimentar isto. Estar numa carreira desalinhada é o que é conhecido como isto. Por outras palavras, “Estou no campo ou posição incorrecta, e agora?”. E este remorso começa a ser visto como a causa da crise da carreira a meio da vida, à medida que se decide o que fazer a seguir.

Há seis fases principais de uma carreira que dura três a quatro décadas. A fase inicial da profissão oferece também o maior potencial para o desalinhamento. A primeira fase, que é referida como a fase de aspiração, geralmente começa quando se recebe o diploma de ensino superior, ou grau universitário. Para compreender o que se pretende envolver em termos do sector, papel, ou função que se pretende assumir, é necessária, nesta fase, uma introspecção séria. O tempo deve ser tomado pelos jovens que vão entrar para a força de trabalho para trabalhar na sua consciência pessoal.

Se não fizerem a introspecção necessária, acabam frequentemente por escolher uma carreira que não se adequa a quem são. Podem ter escolhido a sua profissão devido à pressão familiar, cultural ou de pares para imitar pessoas de sucesso que não reflectem as suas personalidades únicas. A situação só se agrava então quando se avança na sua profissão, promovendo o seu descontentamento. Os profissionais trabalham a maior parte do tempo enquanto estão acordados, pelo que isto não deve ser encarado de ânimo leve. Fundamentalmente, isto terá um impacto numa parte significativa da sua qualidade de vida.

Ambições insatisfeitas na carreira são um segundo factor que contribui para uma crise na carreira a meio da vida. A expectativa que se tem de progresso pode não ter sido satisfeita. Os profissionais podem ter expectativas em termos de designação, salário, âmbito, aprendizagem, e a responsabilidade com que a sua carreira lhes permite envolver-se com o mundo do trabalho, que é muitas vezes a causa principal desta segunda razão. Passam frequentemente por uma crise de carreira de meia-idade quando estas expectativas não são satisfeitas. Por esta altura, a realidade das obrigações familiares, a falta de tempo livre, e o peso do trabalho podem tornar quase impossível sair deste apanhado-22-I preciso do emprego para alimentar o motor financeiro da minha vida, mas não tenho qualquer interesse na situação laboral.

Os sinais de uma crise na carreira de meia-idade

Uma crise profissional de meia-idade tem sintomas distintos que começam a surgir em várias facetas da vida de uma pessoa. Isto abrange a saúde mental de uma pessoa, equilíbrio psicológico, problemas emocionais, fisiologia, relações, e muito mais. Estes sintomas podem incluir a falta de vontade, um golpe na auto-estima, e a falta de prazer na profissão. Pode também manifestar-se de outras formas, como comportamento ressentido para com novos recrutas, clientes, vendedores, e outros prestadores de serviços. Afecta o humor, e uma perspectiva negativa é semelhante a um pneu furado – se não o consertar, não irá longe! A fadiga crónica é outro sinal de uma crise profissional de meia-idade, que é causada pelas endorfinas que costumavam ser libertadas quando se fazia progressos e se sentia bem sucedido por já não ser libertado.

Como se pode lidar com uma crise na carreira de meia-idade?

Um profissional que trabalha deve compreender que, na maioria das vezes, está a atravessar pela primeira vez uma crise de carreira de meia-idade. O caminho futuro não é claro, e é este desconhecido que nos pode levar a adoptar uma mentalidade que não é apropriada para lidar com o que estamos a passar. Além de ser algo que se pode não ter lidado anteriormente, a preocupação que pode causar pode tornar as coisas ainda mais difíceis e deixar alguém despreparado para lidar com a barragem de sentimentos e emoções que uma crise profissional de meia-idade pode causar.

E em muitos casos leva a comportamentos estranhos e mesmo a “desistir calmamente”. A demissão silenciosa refere-se a fazer apenas o mínimo exigido pelo seu emprego para o manter empregado, e mesmo isso é feito com relutância. As pessoas que se demitem desta forma demonstram pouca iniciativa, evitam assumir responsabilidades, e tentam aderir estritamente aos parâmetros das suas tarefas laborais, para que ninguém as possa criticar abertamente. Desistir calmamente tem o inconveniente de não permanecer em silêncio.

Assim, contratar um treinador de carreira é o melhor curso de acção para uma crise profissional de meia-idade. Em primeiro lugar, ao desenvolver uma consciência da razão pela qual isto está a acontecer, um treinador de carreira pode ajudá-lo a diagnosticar o problema. A compreensão da fonte do desequilíbrio permite-nos criar uma estratégia significativa para a resolução do problema.

Em segundo lugar, um treinador de carreira ajudá-lo-á a abordar o seu crescimento pessoal de modo a que possa lidar com a viagem para emergir deste pensamento nublado. Abordarão também quaisquer escolhas de carreira inadequadas que possa ter tomado para que este problema tenha surgido em primeiro lugar. Discutirão a sua personalidade, autoconsciência, alinhamento com a sua missão, e a razão pela qual sai da cama todas as manhãs, bem como as estratégias de carreira à sua medida, que deve agora adoptar para que isto fique para trás.

Para o conseguir, um treinador de carreira irá abordar quatro janelas cruciais sobre quem você é: o seu eu aberto, ou aspectos de quem você é que são conhecidos por si e pelos outros de forma semelhante; o seu eu cego, ou aspectos de quem você é que são desconhecidos para si mas visíveis para os outros; o seu eu escondido, ou aspectos de quem você é que você esconde do mundo para que seja conhecido por si mas não pelos outros; e por último; o seu eu desconhecido, ou aspectos de quem você é que trazem as soluções necessárias para estas quatro facetas da sua personalidade, a fim de o ajudar a voltar ao caminho certo, tanto pessoal como profissionalmente.

Uma vez que sejam capazes de resolver estas questões e estabelecer um alinhamento entre o que lhe interessa, o que o mundo precisa, e o que pode ser compensado, eles ajudam-no a desenvolver um plano de acção exequível para que não tenha de recomeçar do zero. Ajudam-no a avançar para uma carreira significativa, onde poderá contribuir com mérito e obter os benefícios financeiros de que é capaz, ao mesmo tempo que desfruta de um equilíbrio entre trabalho e vida pessoal que complementa os seus objectivos globais na vida.

Leia todos os Últimas notícias de Lifestyle e Notícias de última hora aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.